Ajuda cúmplice…

Se vinha ter contigo, ela era pura,
Pedia-te trabalho honradamente,
Mas, frente à sua formosura,
Nasceu um outro fito em tua mente.

Seu rosto de quem tinha muita fome,
Implorava de ti a compaixão…
Mas, querias lhe ajudar com outro nome,
O nome que leva a outra intenção!

Com juras rebaixaste-lhe a moral,
Com fome se entregou à sociedade,
Agora, vitorioso deste mal,
Com uns trocos vais pagando tal maldade!

Hoje, ela veste sedas e veludo…
Seu rosto cheio, sem uma ruga,
E já não sente fome, já tem tudo,
Mas é agora a carne que se aluga!

Amor conjugal…

Voz

Porque será que se tem
Por nossa cara metade,
Que à pouco conhecemos,
Um amor de Pai ou Mãe,
Amor firme que invade,
Na loucura que a queremos!

Amando-a tanto, tanto,
Quanto mais o tempo passa,
Ainda as queremos mais,
Com um amor sacrossanto,
Enchendo a vida de graça,
Que Deus legou aos casais.

Estribilho

Uma esposa a vida inteira,
É a fiel companheira,
Do seu esposo querido.
Na desgraça, ou boa sorte,
Acompanha até há morte
A sorte do seu marido.

Voz

E quando há filhos, que amor,
Alegria transcendente,
Pelo fruto que merecemos.
Demos Graças ao Senhor,
Santo Deus omnipotente,
Vendo a obra que fazemos!

Mais tarde chegam os netos,
Traquinices, os afetos,
Envaidecendo os Avós.
Somos duas vezes pais,
Amando cada vez mais
E não nos sentimos sós!…

Estribilho

Uma esposa a vida inteira,
Etc… etc…

Voz

Mas, quando o fim se depara,
Chegam as rugas à cara,
Num futuro já escuro,
O cabelo embranquece,
Mas, jamais se nos esquece
Este amor tão santo e puro!

Quando um dos cônjuges parte,
A vida é um enfarte,
Para o que lhe restou vida.
Vagueia como quem sonha,
Numa ânsia tão medonha
Pela hora da partida!


Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 3.0 Não Adaptada.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

O que se passa?!…

Voz

O que se passa
Que agora só me censuras,
E por pirraça
Nem ver-me se tu desejas,
Diz o que tens
Que pouco já me procuras,
E quando vens
Indiferente não me beijas!

O que se passa
Que com tudo te abalas,
Entre ameaça
Ou cheio de indecisão.
Tão exigente
Quando tu comigo falas,
Vens tão diferente,
Com quatro pedras na mão!

Estribilho

O que se passa
Que te desvias de mim,
Quem te amordaça,
Entre nós se atravessou,
Ninguém no mundo
Te dará amor assim,
Amor profundo
Puro e sã como eu te dou!

Voz

O que se passa
Que não sorris como outrora,
Tudo o que eu faça
Tu tentas menosprezar,
Quando gracejo
Disfarças e vais embora,
E se te vejo
Tu tentas me escapar!

O que se passa
Quem é esta cindarela, (Quem é este Don João?)
Que te abraça
E tenta nos afastar,
O que te pode dar ela (O que terá ele então)
Que tu em mim,
Não possas vir encontrar!…

Estribilho

O que se passa
Que te desvias de mim
Etc. etc.



Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 3.0 Não Adaptada.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

A medicina para os viciados!…

Um conselho…

Tenta primeiro evitar
As bebidas alcoólicas!
Há muitas coisas simbólicas
Que quem tem o vício ousa.
Se tens mesmo que tomar,
Não tomes, pede à mulher
Que te aplique um clister,
Sempre tomas qualquer coisa!…

A vida que eu amei!…


Voz

Amei… amei toda a vida,
Com uma tal devoção
E tanta força investida,
Que feriu meu coração.

Após amar tanto, em suma,
Fez-me o amor tanto mal.
Hoje, não quero amar nenhuma,
Amo todas em geral!

Estribilho

Deus quando fez a mulher,
Tão bela, tão guarnecida,
Encheu d’Amor e prazer,
Encanto da nossa vida.

Na mulher, quando se toca,
Com seu jeitinho e desejo,
Sai-lhe um amor pela boca,
Que ninguém resiste ao beijo.

Voz

Eu amei e fui amado,
Sempre com muita paixão,
Aos beijinhos abraçado
Coração com coração!

Continue sempre e rogo
A Deus, que nesta descida,
Eu possa sentir o fogo,
Que me dá esperança e vida!…

Estribilho

Deus quando fez a mulher,
Tão bela, tão guarnecida,
Etc. etc.


Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 3.0 Não Adaptada.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.
 

O fruto proibido!…

Muita rapariga nova
Tem o juízo perdido,
Não descansa se não prova
O tal fruto proibido.

Depois, quer véu da pureza,
E a flor de laranjeira,
Quando ela leva a certeza
E conhece a vida inteira.

Onde está a inocência?
Para quê data marcada!
Se ela tem uma experiência
Talvez mais que uma casada!

Não vamos ser tão cretinos
Exigindo que as solteiras
Pensem que os seus meninos
São trazidos pelas freiras!

Mas que no seu casamento
Haja uma prenda querida
Que fique no pensamento
Do casal, p’ra toda a vida!

De contrário, para o casal,
Maior que seja o amor,
A noite será igual
A qualquer noite anterior!

Todos lembram o momento
Da noite do casamento!…

Os meus beijos!…

O rapaz que tu beijavas,
Meu amor, desconfiei
Qu’os beijos que tu lhe davas
Eram os que eu já dei!…

Os meus beijos tem doçura,
Não os quero acompanhados,
Com beijos de quem procura,
Passar somente uns bocados!

Quem na tua boca toca,
Não sacia os teus desejos,
No gosto da tua boca
Suspira sempre os meus beijos.

Minha química é diferente,
Ninguém vai ter meu sabor,
Meus beijos ficam em mente
Pela doçura e amor!

Se achas que sou capaz,
Digno de uma vontade,
Dá-me os meus beijos p’ra trás,
Que estou cheio de saudade.

Mas, que venham bem cuidados,
Bem puros como eu os tinha,
E não venham lambuzados
Duma boca sem ser minha!… 

O que é que as mulheres têm?!…


Voz

Quando uma mulher passa,
Sabendo-se perseguida,
Faz vibrar, cheia de graça,
As formas que lhe dão vida.

Fica o homem badameco,
Olhando, vista parada,
Banzado, engole em seco,
Assopra, sem dizer nada!

Estribilho

O que é que as mulheres têm
Que as torna assim tão belas,
Qu’o homem não se contém
Andando sempre atrás delas.

Será a saia diferente,
Num corte estilo mordaz,
Abrindo uma racha à frente
E umas preguinhas atrás.

Voz

Será cabelo ondulado,
Seu rosto encantador,
Ou seu modo delicado
Que a torna toda Amor.

Serão seus olhos brilhantes,
Verdes, azuis ou castanhos,
Ou, seus corpos fascinantes,
Com seus encantos tamanhos!…

Estribilho

O que é que as mulheres têm,
Que as torna assim tão belas,
Etc. etc… 

Os direitos são iguais!…

Casaram-se um certo dia,
Na Igrejinha da Sé,
O moço José Maria,
Com a Maria José.

Diferente d’outros casais,
Casaram na condição
Haver direitos iguais,
Na extrema comunhão!

Viviam em harmonia,
Na paz matrimonial,
O que fazia a Maria
O José fazia igual.

Só começou o banzé,
Após uma temporada,
Maria teve um bebé,
O José não teve nada!

O José insatisfeito,
Gritou:-Maria José
Isto assim não está direito,
Não ter também um bebé!…