Fazer anos!…

Como se faz setenta,
sem fazer sessenta e nove?!…

Voz

Há para aí quem aprove
E batendo o pé comenta
Que não fez sessenta e nove,
Quando ele já tem setenta!

Mas, o que mais atormenta
Por vezes até comove,
Haver gente com setenta,
Sem fazer sessenta e nove!?…

Estribilho

Há p’raí muito galã
Envolto neste revés,
Que acorda de manhã
Com a cabeça p’rós pés.
Dizem até que é moda,
O que confesso, não acho!
De dormir a noite toda,
De cabeça para baixo!…

Fim



Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 3.0 Não Adaptada.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

A culinária… / Apreciada pelas senhoras / Conforme a sue idade!…

A culinária
Apreciada pelas senhoras
Conforme a sua idade!…

De criança, até mulher,
Para lhe satisfazer,
Uma boa refeição,
Gostam de ovos remexidos
De preferência batidos
Com a sua própria mão

Dos dezoite aos vinte anos
Gostam muito de tutanos,
De fressura e de dobrada.
A truta, muito madura,
A carne deve ser dura,
Segundo prato, salada.

Dos vinte aos trinta então
Música na refeição,
Em especial um tango,
Variam muito afinal,
Mas o prato especial
As belas coxas de frango.

Dos trint’ anos aos quarenta,
Estas, ninguém as aguenta,
Não têm prato especial,
Tem apetite espantoso,
A tudo acham saboroso
Com molho ou ao natural.

Cinquent’anos, p’ra comerem
Não sabem bem o que querem
Salvo então algum desejo.
Preferem mais a conversa,
Se comem, é sempre à pressa,
Em geral, pãozinho e queijo!

Dos sessenta ao fim da vida,
Não tem sabor a comida,
Nem sabem o que fazer.
Envergonham-se do homem,
Diante dele não comem
Nem deixam os outros comer!…

Os enchidos estão na moda!…

Voz

Num reboliço,
Há gente p’raí às trelas,
Pelo chouriço,
Linguiça e as morcelas.
É de lamber
E não é nada indigesto,
Podem comer,
Ainda arrumar o resto!

O mundo anda
Num alvoroço, louquinho
Por toda a banda,
Atrás dum bom bocadinho.
Quando o apanham,
Chegam a comer-lhe crú,
Outros amanham
E arrumam no baú!…

Estribilho

Não tem picante,
Hoje o chouriço,
Faz um serviço,
Muito importante.
Seu conteúdo,
Quer fêmea ou macho
Mete no tacho
Com pele e tudo!…

Voz

Hoje a morcela
Anda muito preferida,
Dizem que ela
Fica mais desencolhida
Por um bocado,
Muita solteira e casada,
Por ter provado
Ficou de barriga inchada!

A namorada
Que agora ma acompanha
Dum quase nada
Faz uma uma coisa tamanha,
A carne estica,
Não sei com qual o feitiço,
Só duma nica,
Consegue um grande chouriço!

Estribilho

Não tem picante,
Hoje o chouriço,
Faz um serviço,
Muito importante.
Seu conteúdo,
Quer fêmea ou macho,
Mete no tacho,
Com pele e tudo!…

FIM

Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 3.0 Não Adaptada.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

Desgarrada…

Declaração de Amor, entre
um casal maníaco de carros!…

Ele…
Vai esta declaração,
Para lhe provar senhora
Que, ao vê-la tão sedutora,
Perdi logo a direcção.

Ela…
Toma cuidado rapaz,
Podes ter desilusão,
Vai pondo o pé no travão
E fazendo marcha a trás.

Ele…
Desde o momento que a vi
Por minha rua passar,
Já mais deixei de pensar
Nas linhas do seu chassi.

Ela…
Meu coração deu-me um baque
Olhando a sua feição,
Senti logo a impressão
Da frente dum Cadillac.

Ele…
O seu peito dá bem provas,
Com o balanço que tem,
Do mover dum Citroem
A balançar sobre covas.

Ela…
Com este jeitinho eu acho,
Que você vai resvalar
E, ao cair irá ficar
De cabeça para baixo.

Ele…
Ao olhar sua traseira,
Reparo o fonomenal
E belo diferencial
Debaixo da bagageira.

Ela…
Não venhas d’olhos focados,
Como dois faróis brilhantes,
Mostrando as pernas de jantes,
Com pneus recauchutados.

Ele…
Andas de maneira estranha,
Mostrando a coxa e parece
Quando ao guiar se adormece
Nas curvas duma montanha!

Ela…
O teu porte se assemelha
A um condutor audaz,
Que nunca “stop” faz,
Nem mesmo com luz vermelha!

Ele…
Com este motor de arranque,
O meu motor logo pega,
Trabalha, nunca se nega,
Tem sempre “super “ no tanque.

Ela…
Vendo-te assim tão maroto,
Considero-te meu machão,
Carro de segunda mão,
Já com o escape roto!

Os dois…
Desculpem nossas cantigas,
Alguma um pouca grosseira,
Não passa de brincadeira,
Entre pessoas amigas!…

Fim

Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 3.0 Não Adaptada.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.